Por alguns anos, fui vítima de calúnias, difamações, injúrias e ameaças no chamado “meio virtual”, crimes estes vindos da parte daqueles que se dizem “umbandistas com história e raíz”, que estão por ai com suas vídeo-aulas, suas faculdades, cursos de teologia e tudo mais.

Os discípulos, seguidores, simpatizantes e puxa-sacos em geral, usando do anonimato covarde em comunidades do Orkut, assim como listas de discussões, onde destaco a “Apometria e Umbanda”, vilipendiaram por anos meu nome e até hoje, vez por outra, surgem alguns posts nestas pocilgas em resposta à textos que coloco aqui.

Bastou que eu reagisse à altura contra estes pseudos-umbandistas, religiosos de meia-tigela, hipócritas, túmulos caiados, formalizando queixa-crime junto ao Ministério Público de Minas Gerais e buscando reparação por danos morais contra o Google para os ratos apagarem comunidades no orkut, blogs e evitarem, ao menos, citar meu nome profano ou iniciático em seus antros.

Diferente de um certo “mestre” que andou processando um seu desafeto junto à Justiça Paulista, eu não perco meu tempo levando ao judiciário demanda estéreis e sem chances de vitória.

Estes imbecis, na tentativa de me prejudicar acabaram, por várias vezes, me auxiliando, já que em um primeiro momento recebi R$ 9.000,00 de indenização devido às comunidades virtuais criadas por eles no Orkut e agora a Turma Recursal do Juizado Especial Civel de Belo Horizonte condenou a Google ao pagamento de outros R$ 11.000,00 devido a um blog calunioso e difamatório criado por um imbecilóide de Vila Velha que se diz “mestre de iniciação” e “advogado”.

No frigir dos ovos, as atitudes criminosas destes borra-botas me renderam, até o momento, R$ 20.000,00.

Como diria o Cap. Nascimento em “Tropa de Elite”: “Obrigado, Senhores. Suas atitudes estão deixando este instrutor muito feliz.’

Anúncios